="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js">
 
Buscar
  • Ivan Kleber

Vídeo- matamos e enfiamos um pedaço de pau no anus com ele ainda vivo diz padastro de Danilo

Vídeo- matamos e enfiamos um pedaço de pau no anus com ele ainda vivo diz padastro de Danilo


Detidos serão levados para Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios

 Polícia Civil prendeu duas pessoas, na tarde desta sexta-feira (31), suspeitas de envolvimento na morte de Danilo de Sousa Silva, de 7 anos, que foi encontrado morto em uma mata, a cerca de 100 metros da casa onde morava, em Goiânia. Um deles é o padrasto do menino, Reginaldo Lima Santos. O outro detido foi identificado como Hian Alves de Oliveira, filho adotivo do pastor que mora na mesma rua.

De acordo com a Polícia Civil, os presos confessaram ter matado o menino como forma de vingança em razão de suposto mau comportamento da criança. Em depoimento, Hian Alves relatou que auxiliou Reginaldo a levar o corpo do menino para a mata e, para isso, receberia uma moto e um carro como pagamento.


"No dia da morte do menino, eu estava trabalhando na obra. O padrasto arrastou o menino lá para dentro e machucou ele com um pau. Fui até a beirada da mata para levar o menino, segurando pelo braço. Depois, fui trabalhar e ele ficou com o menino na mata", detalhou Hian Alves.

Segundo a família contou à Polícia Civil, Danilo sumiu no último dia 21 de julho ao sair para ir à casa da avó. Seis dias depois, um corpo foi encontrado na região e, no dia seguinte, a corporação confirmou que se tratava da criança que estava desaparecida.

Os dois suspeitos foram presos pelo crime de ocultação de cadáver em conexão com homicídio qualificado, segundo a Polícia Civil. O delegado responsável pela investigação, Rilmo Braga, vai conceder entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira para dar mais detalhes sobre a investigação.


As prisões aconteceram em Abadia de Goiás, na Região Metropolitana de Goiânia. Os dois detidos foram levados para a Delegacia de Investigação de Homicídios, responsável pela força-tarefa montada para solucionar o caso.

Reginaldo Lima, padrasto do menino, e Hian Alves, colega e suspeito de auxiliar na morte, em Goiânia, Goiás — Foto: Divulgação/Polícia Civil de Goiás

6,911 visualizações0 comentário